Quais são as Sete Igrejas do Apocalipse?

Quais são as Sete Igrejas do Apocalipse?

O tema Apocalipse gera muitas dúvidas e curiosidades. Os sinais do fim, a volta de Jesus e o Fim dos Tempos… Todos estes assuntos juntos geram grandes temor nas pessoas.

Mas e se eu te disser que o Apocalipse também tem lições para você, seu comportamento e sua vida?

Isso mesmo, as Sete Igrejas do Apocalipse dão verdadeiros spoilers de comportamento humano e o que Jesus tem a dizer sobre eles.

O livro de Apocalipse, nos capítulos 2 e 3, mostra as cartas do Senhor Jesus às igrejas, onde Ele fala sobre comportamentos e erros. 

Quais são as Sete Igrejas do Apocalipse?

As Sete Igrejas do Apocalipse, que receberam cartas do Senhor Jesus tem características peculiares, cada uma com a suas atitudes e comportamentos.

Mas quais são as Sete Igrejas do Apocalipse? 

As Sete Igrejas do Apocalipse representam diferentes povos cristãos. Cada uma das Sete Igrejas do Apocalipse, estava localizada em uma cidade. 

Veja a seguir quais são as Sete Igrejas do Apocalipse:

  • Éfeso;
  • Esmirna;
  • Pérgamo;
  • Tiatira;
  • Sardes;
  • Filadélfia;
  • Laodicéia.

E o que cada uma destas Sete Igrejas do Apocalipse têm a ver com você? O que as cartas a cada uma das Sete Igrejas do Apocalipse podem lhe ensinar?

Antes de mais nada, para entendermos juntos, vamos explicar qual era cada uma das Sete Igrejas do Apocalipse, quais eram as atitudes e o que Jesus tinha a dizer sobre elas. 

7 igrejas do apocalipse

A Igreja de Éfeso e o primeiro amor

Esta é uma das mais famosas cartas de Jesus às Sete Igrejas do Apocalipse. Isso porque, é para Éfeso que Ele diz um dos mais famosos versículos da Bíblia.

Nesta carta, Jesus diz que conhece tudo o que Éfeso fez e passou:

“Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos. Apocalipse 2:2

Apesar de ter tido obras e paciência, Éfeso não guardou o primeiro amor. Ou seja, já não tinha mais a mesma reverência que tinha no início. 

“E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste.” Apocalipse 2:3

Qual era o contexto histórico de Éfeso?

Éfeso, uma das Sete Igrejas do Apocalipse, adorava a seita imperial. Isto é, o imperador era adorado por eles, não por razões religiosas, mas políticas. Isso porque, quem não adorava ao governador era visto como mau cidadão e até mesmo perigoso. 

Pessoas importantes daquela cidade àquela época, isto é, que faziam parte da elite da cidade e tinham funções importantes na cidade e eram como “chefões” da cidade. 

Além disso, a cidade estava em uma área bastante importante e estratégica e abrigava templos do imperador Domiciano, o que enfatiza sua adoração à seita imperial 

A Igreja de Esmirna

“E ao anjo da igreja em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu: Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás.” Apocalipse 2:8-9

Esmirna, uma das Sete Igrejas do Apocalipse, não foi repreendida pelo Senhor Jesus. Aliás, além de não ser chamada atenção, também foi elogiada por Ele. 

Esmirna era uma cidade considerada o centro político e uma das mais bonitas, onde cristãos verdadeiros buscavam a Deus e se expressavam por meio de desenhos nos muros da cidade.

Arqueólogos encontraram desenhos que mostram sua fidelidade a Ele e até mesmo registros de cálculos do número da besta. Além disso, historicamente a economia de Esmirna era uma das mais baixas 

Esmirna e a permanência na fé

“Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.”  Apocalipse 2:10

A carta de Jesus à Esmirna traz bastantes lições de permanência na fé, quando as circunstâncias não são favoráveis. Eles eram um povo pobre, mas que mesmo em meio à dificuldade continuavam buscando a Deus.

Em sua carta, Jesus ainda alerta que seriam presos, mas não deveriam deixar sua fé ser abalada.

E o que você pode aprender com isto? É simples. Hoje, há muitas situações que desfavorecem sua fé. Há Países que não se pode pregar o Evangelho e nos que se é permitido, ainda é possível encontrar perseguição.

Mas como Esmirna, os cristãos da atualidade devem permanecer na fé, sem negá-lO ou entristecê-lO. 

A Igreja de Pérgamo

Esta igreja foi chamada de fiel testemunha por Jesus.

“Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.” Apocalipse 2:13

Construída como uma fortaleza impenetrável e fundada, aproximadamente 300 anos antes de Cristo,  Pérgamo se tornou uma tesouraria, mas se desenvolveu e constituiu um reino, o Reinado dos Atálidas, que governou por 150 anos. 

Esta cidade, pois tinha muitos templos pagãos, inclusive um monumento dedicado a Zeus. A cidade também era palco de uma adoração ao imperador. 

Deste modo, esta cidade causava grandes problemas aos cristãos verdadeiros. Eles eram perseguidos, quando se recusavam a participar de festas pagãs. Por este motivo, o povo era perseguido. 

“Mas algumas poucas coisas tenho contra ti, porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e fornicassem.” Apocalipse 2:13,14

No Antigo Testamento, Balaão foi quem planejou levar Israel à imoralidade e desobediência a Deus. Então, o Senhor Jesus falou à Pérgamo que algumas pessoas, na cidade, estavam participando de festas que nada tinham a ver com Ele, como se fosse aceito para a prática cristã.

Tiatira e a sedução à idolatria

Jesus fala bastante com esta igreja em sua carta e foi bastante rígido também.

 Esta era uma cidade bastante conhecida pelas associações comerciais, que é como um sindicato dos dias de hoje. E este era o grande problema desta igreja.

Para fazer negócios pela cidade, era preciso fazer parte de uma dessas associações e, portanto, concordar com o que elas diziam e faziam. O grande problema é que, normalmente, elas estavam ligadas à idolatria. 

Ou seja, a fé em Cristo mexia diretamente no bolso daqueles cristãos, pois para fazer negócio era preciso estar alinhado a essas associações. 

“Mas algumas poucas coisas tenho contra ti que deixas Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que forniquem e comam dos sacrifícios da idolatria.” Apocalipse 2:20

O versículo acima mostra que os cristãos da cidade eram negligentes. Ou seja, deixaram de combater costumes pagãos, que estavam sendo apresentados aos cristãos.

Além disso, na Bíblia, Jezabel é sinônimo de sedução, idolatria e imoralidade.

Deste modo, é possível afirmar que a vida dos cristãos em Tiatira não era fácil, já que para fazer parte do comércio era preciso que eles participassem de festas pagãs e o espírito de Jezabel seduzia o povo a participar destas atividades. 

Sardes e as aparências 

Sardes era uma cidade fortificada e quase inconquistável. Eles se sentiam muito seguros nesta cidade e se orgulhavam por estarem em um local, praticamente, invencível. 

Mas, a cidade de Sardes não estava vivendo o seu melhor momento, mas continuavam se orgulhando por estar em um local como este. 

Por isso, a carta do Senhor Jesus a esta igreja do Apocalipse é para que ela deixe o orgulho.

“E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto.” Apocalipse 3:1

Por isso, quem lê esta carta, destinada a uma das Sete Igrejas do Apocalipse, também deve se analisar. Ou seja, também deve procurar ver se está “nome de que vive”, mas na verdade não está. Precisa parar de se apoiar no passado e reconhecer o seu real estado. 

Filadélfia e a perseguição

A igreja de Filadélfia foi elogiada por Jesus. 

 “Ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre” Apocalipse 3:7.

Eles foram perseguidos por Judeus, que diziam que apenas o povo judeu pertencia ao povo escolhido por Deus, mas nunca negou a Ele. 

“Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo.” Apocalipse 3:9

Por isso, essa carta de motivação às pessoas que estavam sendo perseguidas. Ele não corrigiu esta igreja, mas valorizou sua fidelidade e as deu uma uma promessa de salvação. Veja:

“A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.” Apocalipse 3:12

Laodicéia 

A última, das Sete Igrejas do Apocalipse, era uma cidade muito rica. A indústria e o comércio eram importantes e conhecidos. A cidade também era bastante conhecida pela qualidade da escola de medicina, especializada em saúde dos olhos. 

As condições favoráveis da cidade faziam com que as pessoas fossem muito ricas e tivessem sentimentos de autossuficiência. Por isso, a carta de Jesus a essa Igreja criticava este sentimento. 

“Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!” Apocalipse 3:15

Por que Ele falou isso? Ele utilizou um artifício da época e que eles conheceriam. Àquela altura, Laodicéia recebia água termal de Heliópolis, mas que chegava morta na cidade. 

Por isso, para que eles entendessem o grau da seriedade de sua condição espiritual, Jesus usou essa analogia. 

O que podemos aprender com as Sete Igrejas do Apocalipse?

As Sete Igrejas do Apocalipse nos mostram que servir a Jesus exige empenho, sacrifício e resistência. Não é possível serví-lO de qualquer maneira. 

Os cristãos das Sete Igrejas do Apocalipse devem ser exemplos do que fazer e não fazer em nosso serviço a Ele.

As Sete Igrejas do Apocalipse nos mostra que jamais devemos servir como achamos que devemos, não podemos nos deixar enganar pelo mundo e não podemos fazer o que os outros fazem.

Se somos servos dEle, não podemos nos deixar influenciar, como alguns cristãos das Sete Igrejas do Apocalipse. Pelo contrário, devemos olhar para estes cristãos das Sete Igrejas do Apocalipse e decidir fazer diferente. 

lançamento univer video

Sete Igrejas do Apocalipse no Univer Vídeo

O assunto sobre as Sete Igrejas do Apocalipse rende muitos ensinamentos. O Senhor Jesus deixou cartas que ainda são atuais e podem ser aplicadas na vida dos cristãos atuais.

Um dos mais incríveis e recentes lançamentos do Univer Vídeo, Sete Igrejas do Apocalipse, vai te levar em uma viagem pela Ásia Menor para conhecer as cidades das igrejas das cartas do Apocalipse. 

No documentário Sete Igrejas do Apocalipse, você vai entender ainda mais sobre  o contexto histórico de cada cidade, o que Jesus queria dizer em cada carta e como elas podem ser aplicadas em sua vida. 

Sete Igrejas do Apocalipse está disponível no Univer Vídeo em inglês e em português. Faça sua assinatura e assista este lançamento exclusivo!

Compartilhe em suas redes versículos do Livro Apocalipse:

Apocalipse 1:4

Apocalipse 1:8

Apocalipse 2:4

Apocalipse 2:7

Apocalipse 2:16

Apocalipse 3:20

Autor(a): Equipe Univer Vídeo

  • Compartilhe nas redes sociais:
  • Blog Univer Vídeo - Facebook
  • Blog Univer Vídeo - Twitter
  • Blog Univer Vídeo - Whatsapp

Assine nossa Newsletter e não perca as novidades!